domingo, 6 de dezembro de 2009

Saudade

Tenho passado um presente diferente.
E tenho dado um presente pra outra pessoa.
O de conseguir ver as coisas como elas realmente são.
Quando o entrego, fico sem nada.

Mas também tenho um presente: meu passado.
Memórias e lembranças.
São as fotos e cartas antigas,
alguns manuscritos já digitados,
poemas e pensamentos.
Um eco do que eu fui.

Será um do que vou ser, também.
O futuro, incerto, virá fruto do agora.
Fruto furtado de um vôo fretado para o desconhecido.
Mesmo sem saber o que isso quer dizer, pego carona.
Dizer por dizer, sem sentido, sabe?

Mas, no final, tudo não passa de uma guerra.
E é isso que qualquer soldado escuta todo dia: Sentido!
E não faz o mínimo.
Nem isso,
nem a vida.

Mas quem disse que precisa ter?

*Observação: nem lembrava desse texto ou de ter escrito isso. Encontrei pela metade do que é agora no meu computador: mudei, coloquei, tirei e acabou virando o que virou.

3 comentários:

rodrigo disse...

a vida é uma guerra então?

Tory disse...

se você descobrir qual é, afinal, o sentido dessa porra toda, favor avisar.

apulga disse...

e, sei lá, sem passado, sem presente, sem futuro, eu sei que tudo faz só um sentido.